quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

O CRISTÃO E A VACA AMARELA



Pregue o Evangelho em todo tempo. Se necessário, use palavras”. Famosa frase de São Francisco de Assis, que é boa em sua intenção, porém incoerente com o que a vontade de Deus, e infelizmente utilizada como pretexto para os cristãos ficarem calados e confinados em seu confortável cantinho comendo pipoca e assistindo televisão. Pois é sim necessário, que o evangelho seja pregado a todas as nações. (Marcos 13:10)


Certamente que o evangelho carece ser pregado aos “olhos” através testemunho e a integridade dos filhos de Deus, pois o caráter cristão é obrigação e reflexo do conhecimento que obtivemos da graça de Deus que se manifestou salvadora de todos os homens. Ela nos ensinou a renunciar a impiedade e às paixões mundanas e a viver de maneira sensata, justa e piedosa nesta era presente. (Tito 2:11-12) No entanto, a Bíblia dá ênfase a na urgência do evangelho ser pregado aos “ouvidos”, de outra forma, como crerão Naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão se não há quem pregue? [...] Consequentemente, a fé vem por se ouvir a mensagem, e a mensagem é ouvida mediante a palavra de Cristo. (Romanos 10:14-17)

Não existe desculpa para o cristão permanecer calado uma vez que a Bíblia nos comissiona a pregar, anunciar, falar, proclamar, ensinar. Não existe justificativa para nos retrairmos enquanto o mundo nos impõe os seus valores e ideologias corrompidas, os quais confrontam e destroem a moral cristã de nossa sociedade. Não existem pretextos para permanecermos omissos enquanto o próprio Diabo propaga descaradamente suas mentiras, opõe-se a tudo o que é divino, destrói nossas, famílias, perverte nossas mentes através de seus agentes de transformação cultural, ou seja, a política, da mídia, da educação, movimentos entre outros.

O cristianismo certamente estaria extinto se Paulo, Pedro, João, Filipe, Estevão ou o próprio Cristo tivessem se limitado a somente viver o evangelho e ser exemplo para o mundo. É tempo de levantar-se diante da multidão em alta voz e anunciar as grandezas daquele que nos chamou das trevas para sua gloriosa luz. (1 Pedro 2:9b) Como disse Matin Luther King: “O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons”. Pois enquanto valores cristãos são extintos da sociedade, o ateísmo aumenta e o anticristo se persegue a fé, o cristão permanece brincando de vaca amarela.


Iniciemos 2014 cientes de que não podemos deixar de falar do que temos visto e ouvido. (Atos 4:20) Falemos mais a respeito de nossa fé, seja em no meio acadêmico, profissional, na mídia, entre parentes, amigos, especialmente em seu próprio lar. Utilizemos nossas redes sociais, para compartilhar mais do que nossas eventuais programações, fotos ou vídeos alheios. Compartilhe as boas novas de salvação de Jesus Cristo, pois isto é responsabilidade, pois se nos calarmos, as próprias pedras clamarão. (Lucas 19:40)

Gustavo Emidio

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

LUGAR FAVORITO

Todos temos um lugar favorito. Lugar onde é sempre um prazer retornarmos, lugar onde temos saudades de estar. Para muitos o lar é o lugar favorito. Nada melhor do que chegar em casa após um dia exaustivo, descansar e desfrutar da presença daqueles que mais amamos. Mesmo dentro de nossas casas temos tendência de gostar de cômodos específicos, seja a sala, o quarto, a cozinha ou até mesmo o quintal. Difícil é encontrar aqueles que gostam da lavanderia.

Existem aqueles que preferem retirar-se para o campo, longe de toda agitação que a cidade proporciona. Convidados pela natureza a deleitar-se com o ar puro ao som dos pássaros, sombra e água fresca. Outros preferem a cidade e todo seu movimento, luzes, pessoas, festas, shoppings e todas as opções que a indústria do lazer promove.

A bíblia refere-se a alguém que se destaca por ter um lugar favorito. Lugar não somente de refúgio, onde encontra força, solução e vida, mas também um lugar de adoração, aos pés de Jesus.

Em determinada passagem, a Bíblia apresenta um contraste entre duas irmãs, Marta e Maria, as quais recebiam visita do Senhor Jesus. (Lucas 10:38-42) Marta era hospitaleira, a versículo destaca o fato de que ela era quem havia recebido o Senhor em sua casa. Assim, preocupava-se, com a limpeza do ambiente, o que serviria aos visitantes entre outras coisas. Maria, sua irmã, preferiu ficar sentada aos pés do Senhor ouvindo Suas palavras. Não abriu mão dessa posição, pois sabia que naquela ocasião as obrigações poderiam esperar, mas a presença de Jesus em sua casa era um momento singular, comportamento este que nos revela uma alma sedenta e dependente da presença de Deus.

Quando seu irmão Lázaro morreu, Maria ao saber que Jesus havia chegado ao povoado, levantou-se depressa e foi ao Seu encontro. Chegando ao lugar onde Jesus estava e vendo-o, apressadamente lançou-se aos Seus pés. (João 11:32) Foi neste momento que o próprio Jesus chorou. Fato que revela a reação de Deus diante das aflições de seus filhos. Existe um lugar para chorar, lugar onde trazemos nossas angústias, tristezas, derrotas e misérias. Aos pés daquele que se identifica com as nossas fraquezas e sofre conosco. “O Deus que nos consola em todas as nossas tribulações”. (2 Cor. 1:4)

Outro momento, é logo após a ressurreição de lázaro. “Ali prepararam um jantar para Jesus. Marta servia, enquanto Lázaro estava sentado com Ele. Então Maria pegou um frasco de Nardo puro, que era um perfume caro, derramou-o sobre os pés de Jesus e os enxugou com os seus cabelos.” (João 11:2-3) Convicta de quem estava diante de si, tudo o que ansiava fazer era prostrar-se e adorá-lo. Assim notamos a vida de uma mulher que se caracterizou por simplesmente prostrar-se aos pés de Jesus, independente das circunstâncias estava ciente de que “melhor é um dia nos teus átrios do que mil noutro lugar”. (Salmos 84:10a)


Devemos cumprir as obrigações que a vida nos atribui, porém sem esquecermos daquilo que é o principal, o reino de Deus. Quando abrimos mão de nosso tempo de oração e leitura da palavra de Deus, tornamo-nos inquietos, preocupados e infrutíferos. Os pés de Jesus é o local que nunca devemos abandonar, seja quando tudo estiver bem, ou mesmo quando tudo estiver de mal a pior. Porém, este é o ambiente reservado para aqueles que anseiam pela presença de Deus. “Como a corça anseia por águas correntes, a minha alma anseia por ti, ó Deus”. Salmos 42:1

Gustavo Emidio

sexta-feira, 28 de junho de 2013

PROFESSOR REPROVA CLASSE INTEIRA

Um professor de economia em uma universidade americana disse que nunca havia reprovado um só aluno, até que certa vez reprovou uma classe inteira.
Esta classe em particular havia insistido que o socialismo realmente funcionava: com um governo assistencialista intermediando a riqueza ninguém seria pobre e ninguém seria rico, tudo seria igualitário e justo.
O professor então disse, “Ok, vamos fazer um experimento socialista nesta classe. Ao invés de dinheiro, usaremos suas notas nas provas.” Todas as notas seriam concedidas com base na média da classe, e portanto seriam ‘justas’. Todos receberão as mesmas notas, o que significa que em teoria ninguém será reprovado, assim como também ninguém receberá um “A”.
Após calculada a média da primeira prova todos receberam “B”. Quem estudou com dedicação ficou indignado, mas os alunos que não se esforçaram ficaram muito felizes com o resultado.
Quando a segunda prova foi aplicada, os preguiçosos estudaram ainda menos – eles esperavam tirar notas boas de qualquer forma. Já aqueles que tinham estudado bastante no início resolveram que eles também se aproveitariam do trem da alegria das notas. Como um resultado, a segunda média das provas foi “D”. Ninguém gostou.
Depois da terceira prova, a média geral foi um “F”. As notas não voltaram a patamares mais altos mas as desavenças entre os alunos, buscas por culpados e palavrões passaram a fazer parte da atmosfera das aulas daquela classe. A busca por ‘justiça’ dos alunos tinha sido a principal causa das reclamações, inimizades e senso de injustiça que passaram a fazer parte daquela turma. No final das contas, ninguém queria mais estudar para beneficiar o resto da sala. Portanto, todos os alunos repetiram aquela disciplina… Para sua total surpresa.
O professor explicou: “o experimento socialista falhou porque quando a recompensa é grande o esforço pelo sucesso individual é grande. Mas quando o governo elimina todas as recompensas ao tirar coisas dos outros para dar aos que não batalharam por elas, então ninguém mais vai tentar ou querer fazer seu melhor. Tão simples quanto isso.”
1. Você não pode levar o mais pobre à prosperidade apenas tirando a prosperidade do mais rico;
2. Para cada um recebendo sem ter de trabalhar, há uma pessoa trabalhando sem receber;
3. O governo não consegue dar nada a ninguém sem que tenha tomado de outra pessoa;
4. Ao contrário do conhecimento, é impossível multiplicar a riqueza tentando  dividi-la;
5. Quando metade da população entende a ideia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade da população irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma nação.

Texto adaptado por: Rodrigo Campanini Rubio

quinta-feira, 11 de abril de 2013

AS ESTAÇÕES DA VIDA



“Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu”. Eclesiastes 3:1


O que determina nosso caráter, não são as fases momentâneas que a vida nos proporciona, sejam elas boas ou ruins, mas, a essência daquilo que somos em Deus. Fases são importantes para a formação de nosso caráter, especialmente quando as mesmas são  complexas. A Bíblia diz: “Nos gloriamos nas tribulações, porque sabemos que a tribulação produz perseverança; a perseverança, um caráter aprovado; e o caráter aprovado, esperança”. Romanos 5:3-4

Diante disso gostaria de contar-lhes esta história:
“Um homem morava no deserto e tinha quatro filhos. Querendo que seus filhos aprendessem a valiosa lição da não precipitação nos julgamentos, os enviou para uma terra um onde haviam muitas árvores. Mas ele os enviou em diferentes épocas do ano. O primeiro filho foi no inverno, o segundo na primavera, o terceiro no verão e o mais novo foi no outono.

Quando o último deles voltou, o pai os reuniu e pediu que relatassem o que tinham visto. O primeiro filho disse que as árvores eram feias, meio curvadas, sem nenhum atrativo. O segundo filho discordou e disse que na verdade as árvores eram muito verdes e cheias de brotinhos, parecendo ter um bom futuro. O terceiro filho disse que eles estavam errados, porque elas estavam repletas de flores, com um aroma incrível e uma aparência maravilhosa! Já o mais novo discordou de todos e disse que as árvores estavam tão cheias de frutos que até se curvava com o peso, passando a imagem de algo cheio de vida e substância.

Aquele pai então explicou aos filhos, que todos eles estavam certos. Na verdade eles viram as mesmas árvores em diferentes estações daquele mesmo ano.

Não podemos julgar alguém ou até mesmo nossa própria existência por apenas uma estação ou fase da vida. A essência daquilo que somos, a alegria, o prazer, o amor ou até mesmo as tragédias e períodos difíceis, só podem ser medidas quando todas as estações estiverem concluídas”. 

Cada estação de nossa vida têm características específicas. O Outono é necessário para que haja renovação, pois é quando os ventos são fortes e as folhas caem. O inverno é quando nos retrairmos, pois é o período de frio, pouca luz e das chuvas fortes. A primavera é tempo de esperança, pois a natureza é revestida de cores e beleza. Então surge o verão, que representa a vida em sua plenitude, pois o brilho do sol e a força da luz surgem exaltando a vida e enchendo de alegria nossa existência.

Mesmo que a estação presente seja um período de ventos e provações, lutos e desencantos, ou tempos de escuridão e frieza, é necessário estarmos cientes de que logo a semente brotará, e nascerá a esperança repleta de cores produzindo novo sentido à nossa existência. “O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã”. Salmos 30:5b

Não desista quando chegar o inverno, para que não perca as promessas da primavera e a beleza do verão. Certos de que somente sobrevivemos a todas as estações, quando Cristo, a luz que ilumina a todo homem e toda mulher, estiver presente em cada período dessa jornada. 

sábado, 9 de março de 2013

PERMANECEI EM MIM





 “Eu sou a videira; vós os ramos. Quem permanece em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer”. João 15:5 

Cristo está em todo aquele que o recebeu, porém, a vida Cristã não consiste somente do fato de Cristo habitar em nós, mas do fato de que nós precisamos estar Nele. “Portanto, assim como vocês receberam Cristo Jesus, o Senhor, continuem a viver Nele, enraizados e edificados Nele, firmados na fé, como foram ensinados, transbordando de gratidão”. (Cl 2:6) João, o discípulo amado, destaca-se como aquele que esteve sempre muito próximo de Jesus, o jovem que tinha intimidade com o mestre. Assim, entendemos que se trata de alguém no qual devemos inclinar nosso coração aos seus ensinos, e sermos instigados a observar o destaque que o mesmo da às palavras “PERMANECEI EM MIM”. Termo esse que expressa a mais íntima e espiritual união com Deus. 

Para melhor compreendermos o princípio de PERMANECER, é necessário estarmos atentos àquelas pequenas palavrinhas: “Nele ou em Cristo”. Termos que muitas vezes parecem imperceptíveis e insignificantes, porém determinantes para o caminhar cristão.  A Bíblia diz: “E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura[...]”(2Co 5:17) “Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus”. (Rm 8:1) “Mas agora, em Cristo Jesus, vocês, que antes estavam longe, foram aproximados mediante o sangue de Cristo”. (Ef 2:13NVI) 

Dessa forma, nos é esclarecedor o fato de muitos Cristãos já nascidos de novo serem tão infrutíferos, pois manifestam mais a natureza decaída de velho homem carnal que de nova criatura, são mais oprimidos e condenados pelos atos do passado que justificados, mais alienados do Senhor e vazios que aproximados pelo sangue. Isto se deve ao simples fato de NÃO PERMANECEREM NELE. 

A palavra nos revela o meio pelo qual permanecemos em Deus. A Bíblia diz: “Quanto a vocês, cuidem para que aquilo que ouviram desde o princípio permaneça em vocês. Se o que ouviram desde o princípio permanecer em vocês, vocês também permanecerão no Filho e no Pai”. (1Jo 2:24)

Permanecemos em Deus, quando sua palavra em nós permanece, e dela somos enriquecidos. É questionável a vida de cristãos indiferentes ao conhecimento da palavra e que não adquiriram o hábito e a necessidade da leitura bíblica. A palavra é o banquete diário de Deus para todo cristão. Para vivermos por meio de Jesus, precisamos nos alimentar dEle. (Jo 6:57) 

Permanecemos em Deus quando permanecemos em seu amor. A Bíblia afirma: “Deus é amor. Todo aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus nele”. (Jo 4:16b) “Como o pai me amou, assim eu os amei; permaneçam no meu amor” (Jo 15:9) A medida que conhecemos e compreendemos o comprimento, altura, largura e profundidade do amor de Cristo que excede todo entendimento, somos impulsionados a nos rendermos a Ele. Amor este, que nos amou antes da fundação do mundo, amor este, que inspirou Deus a enviar seu único filho como sacrifício por nossos pecados, amor este que motivou o filho de Deus a morrer na cruz. Este é o amor que nos constrange, o qual agora foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado. (Rm 5:5) Permanecendo em seu amor, tornamo-nos a manifestação do amor de Deus para o mundo. 

 “Filhinhos, agora permaneçam Nele para que, quando ele se manifestar, tenhamos confiança e não sejamos envergonhados diante Dele na sua vinda”. (1Jo 2:28)

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

A MINHA PAZ VOS DOU...


A palavra paz no dicionário é traduzida como sendo um estado de calma ou tranquilidade, uma ausência de perturbações e agitação. Dentro de cada pessoa existe o anseio por esta paz, pois no propósito original de Deus desfrutávamos de paz com Ele e paz interior, o que implica em paz relacional, ou seja, paz com os outros. Por consequência da queda de Adão e Eva e a inauguração de uma natureza contaminada pelo pecado, nos tornamos alienados desta paz, dando deste modo lugar ao ódio, violência e todo tipo de perversidade que se enraízam dentro do coração humano. Aquilo que Deus criou e viu que “era bom”, torna-se mau! Evidência disso é o relato Bíblico do primeiro homicídio quando Caim, possuído pelo ciúme, arma um emboscada para seu irmão Abel, e o assassina. (Gênesis 4:8)

 Assim percebemos que aquele ser que fora criado para ter o domínio de todas as coisas, torna-se dominado pelo pecado e vencido pelas paixões e desejos de uma natureza decaída. O Apóstolo Paulo afirma: "Não há nenhum justo, nem um sequer; não há ninguém que entenda, ninguém que busque a Deus. Todos se desviaram, tornaram-se juntamente inúteis; não há ninguém que faça o bem, não há nem um sequer". "Suas gargantas são um túmulo aberto; com suas línguas enganam". "Veneno de serpentes está em seus lábios". "Suas bocas estão cheias de maldição e amargura". "Seus pés são ágeis para derramar sangue; ruína e desgraça marcam os seus caminhos, e não conhecem o caminho da paz". Romanos 3:10-17. Vivemos, portanto, em uma época de ansiedades, medos e incertezas, e torna-se cada vez mais evidente que o homem é a maior ameaça para a humanidade.

É indiscutível que Deus tem pensamentos de paz para nossas vidas (Jeremias 29:11), pensamentos de paz para nossa família e pensamentos de paz para nosso futuro. Por outro lado, estamos frequentemente em um ambiente eclesiástico, em lugares pacíficos, participamos de retiros espirituais, cursos que nos instruem como viver em paz com o cônjuge, ouvimos sermões lindos e convincentes sobre paz, porém, muitas vezes, em nosso interior estamos sucumbindo, atormentados pelas crises, pressões, ou até mesmo manifestações da natureza depravada que nos impulsiona a fazer e pensar tudo aquilo que é fora dos princípios Bíblicos. Conforme relatava o famoso pregador do século XIX Charles Spurgeon: “Existe algo como uma besta selvagem dentro de cada um nós”.

A Bíblia nos questiona em Tiago 4:1 - “De onde vem as guerras e contendas que há entre vocês? Não vem das paixões que guerreiam DENTRO de vocês?” Assim entendemos que a falta de paz que assombra nossas vidas, é causada por aquela pessoa que vemos quando estamos na frente do espelho.

Estaremos prontos a experimentar a paz de Deus, que excede todo entendimento, quando de fato experimentarmos a paz com Deus. O primeiro passo, para torná-la real em nossas vidas, é reconhecer que encontramos-nos completamente desconectados do Criador. “Todos pecaram e estão separados da glória de Deus”. (Romanos 3:23)

Jamais existirá paz na vida de uma pessoa que se encontra alienada de Deus, por isso a reconciliação é urgente. Esta, porém, não é baseada em nosso desempenho, em tentar cumprir as obrigações cristãs, ou promover campanhas disfarçadas em favor do próximo a fim de amenizar o sentimento de culpa que assola nossas vidas. O próprio Deus teve a iniciativa: “Se quando éramos inimigos de Deus fomos reconciliados com ele mediante a morte de seu Filho”. (Romanos 5:10a) Ele mesmo enviou seu filho para sofrer o castigo que me traz a paz (Isaias 53:5); estabelecendo assim a paz pelo seu sangue derramado na cruz. (Colossenses 1:20).

A paz que experimentamos em Deus é muito além de uma doutrina, sentimento, ou um estado de espírito. A paz que Deus nos deu é uma pessoa, Jesus Cristo; pois Ele é a nossa paz. (Efésios 2:14).É maravilhoso saber que esta paz está disponível a todos, independente de raça, posição social, formação acadêmica, localização geográfica ou até mesmo perversidades passadas, desde que estejamos dispostos a nos arrepender, e a restituirmos tudo aquilo que um dia tiramos de outros em alguma ocasião, seja a paz, a dignidade, o respeito, a alegria ou algum bem material. Por fim, basta-nos depositar nossa total confiança nAquele que diz: “Deixo-lhes a paz; a minha paz vos dou”. João 14:27a

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

O JUSTO VIVERÁ PELA FÉ


Porque no evangelho é revelada a justiça de Deus, uma justiça que do princípio ao fim é pela fé, como está escrito: "O justo viverá pela fé". Romanos 1:17


A vida cristã é simples, tão simples que muitas vezes tropeçamos em sua própria simplicidade. Precisamos entender também que a vida cristã é impossível de ser vivida em nossas próprias forças, por isso Deus estabelece que esta vida sobrenatural seja vivida somente por meio da Fé em Jesus Cristo, pois Ele é a própria vida Cristã. Infelizmente muitos cristãos se extraviam da verdade do evangelho e procuram de alguma forma serem justificados por seus próprios esforços de tentarem ser agradáveis a Deus, procuram ser justificados por seu bom caráter, suas obras, ministérios, sua  frequência na igreja, ou até mesmo através do tal moralismo religioso.

Existe no coração do ser humano uma tendência moralista de auto justificação, empenhando-se assim por fazer, fazer e fazer, ou o deixar de fazer determinadas coisas, a fim de que através de seu próprio desempenho torne-se merecedor de algum benefício divino. Deus, por sua vez, estabelece o princípio da fé, pelo qual todo homem torna-se justificado diante Dele totalmente isento de qualquer obra. A Bíblia diz em Romanos 3:21-22:  “Mas agora se manifestou uma justiça que provém de Deus, independente da lei [...] Justiça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo para todos os que crêem.

Uma vez que nos denominamos protestantes, é essencial estarmos cientes de que o protestantismo nasceu da doutrina da justificação pela fé somente. A qual foi considerada como sendo o resumo de toda doutrina cristã.  Doutrina esta, que quando compreendida como sendo a chave para todo o evangelho, nos leva a viver um cristianismo vivo e autêntico, porém quando não valorizada a sua importância, pode causar muitos estragos. Os reformadores proclamavam que todo o evangelho da graça se mantém ou cai baseado no entendimento da justificação pela fé.

 Na história da igreja cristã, podemos observar que quando a igreja se desviou desta verdade, se desviou de Deus, exaltou o homem e oprimiu o povo com uma religiosidade que mais exigia do que transformava.  
Como igreja do século 21, o Deus imutável continua seu convite de vivermos por fé, pois “O justo viverá pela fé”. Romanos 1:17. Fé esta a qual é herdeira das promessas do Pai. Através dela nos apropriamos daquilo que nos foi conquistado por meio do evangelho de Cristo. Fé como sendo a certeza daquilo que esperamos e aprova das coisas que não vemos. Hebreus 11:1.

O elemento fundamental da fé é o conhecimento. Ninguém pode crer naquilo em que não sabe. Portanto, a fé vem por ouvir a mensagem, e a mensagem é ouvida mediante a palavra de Cristo. Romanos 10:17. A medida que conhecer a palavra revelada acerca daquilo que lhe foi dado em Cristo, crer de fato que você é o que Deus diz a seu respeito, possui tudo o que Deus diz que possui, e que pode fazer o que Deus diz que pode fazer, então, a palavra proporcionará a substancializarão da revelação divina em sua própria experiência, ou seja, a fé permite que as coisas que já são reais em Deus tornem-se reais sua vida. Portanto fé cristã é experiência, inteligência e prática.

A palavra de Deus exalta a fé declarando ser ela o meio pelo qual tenho acesso a graça que me salva. (Romanos 5:2)  Através da fé resistimos o diabo (1 Pedro 5:9), e de fato a mesma me é apresentada como sendo o escudo que me defende dos dardos inflamados do maligno (Efésios 6:16). A fé que produz obediência sincera e desinteressada (Romanos 1:5). A fé vence o mundo e sua influencia sobre nossas vidas (1 joão 5:34). A fé viva promove a obra de Deus (1 Timóteo 1:4), assim, a fé exalta somente a Deus e elimina todo e qualquer mérito humano, pois tudo que temos, é herança daquilo que foi conquistado em Cristo, portanto, nós que cremos, entramos no descanso de Deus. (Hebreus 4:3)

A fé nos conduz a sonharmos além daquilo que presenciamos hoje. Pela fé nossa visão é sempre maior que nossos recursos, e o Senhor tem prazer em operar o sobrenatural quando decidimos crer no Deus que chama a existência as coisas que não existem como se existissem. (Romanos 4:17). Portanto aquilo que aos seus olhos é impossível no âmbito natural, é possível quando visto pelos olhos da fé. Pois TUDO é possível aquele que Crê. (Marcos 9:23)